Vendas no Cartão de Crédito: Regime de Caixa ou Competência?

Vendas no Cartão de Crédito: Regime de Caixa ou Competência?

Vendas no Cartão de Crédito: Regime de Caixa ou Competência?

Fim de Ano chegando, todos correndo atrás de bater as metas e aproveitar uma das épocas mais quentes de vendas.

E uma das formas que mais crescem e mais se tornam atraentes é o cartão de crédito e débito, por ser prático, rápido e garantido, é uma das formas queridinhas dos comerciantes, porém você sabe o que a venda no cartão influencia na sua contabilidade?

Vender no cartão requer certas atenções, nada muito complicado, porém quem não esta familiarizado com os termos pode se confundir um pouco, isso porque o cartão pode aparecer de formas diferentes de acordo com o Regime de Caixa ou o Regime de Competência.

Ficou confuso? Vamos explicar!

Regime de Caixa e Regime de Competência

Para não nos estendermos muito, vamos simplificar essa diferença.

Regime de Caixa corresponde ao setor Financeiro, ou seja, a movimentação real do Caixa da sua empresa, quando o dinheiro entrou ou saiu de fato da conta.

O Regime de Competência corresponde ao Fato Gerador, que significa o evento que deu origem a uma movimentação financeira.

Agora vamos exemplificar para fica ainda mais simples:

Uma venda no Cartão de Crédito é realizada dia 10/12. Portanto, o valor estará na conta da empresa dia 10/01 (a média é de 30 a 31 dias).

Nesse caso, tal venda irá aparecer no Regime de Competência do mês de Dezembro, porém somente irá aparecer no Regime de Caixa em Janeiro. Pois o primeiro é referente à data da venda e o segundo a data da entrada de dinheiro na conta.

Qual Regime Utilizar?

Os dois são importantes e necessários. Porém você pode optar entre um e outro para medir e seguir os resultados da sua empresa.

Mas de toda forma a sua apuração contábil será realizada em cima do Regime de Competência.

Dessa forma, por exemplo, as vendas realizadas neste final de ano no Cartão de Crédito, entrarão na apuração de impostos e tributação do mês de Dezembro, mesmo os valores sendo creditados em sua conta somente em Janeiro.

É importante lembrar que vender no Cartão de Crédito em Dezembro, para tentar “jogar” no faturamento de Janeiro e não aumentar o do ano vigente, não irá funcionar, por causa do Regime de Competência.

Para que Servem essas Diferenças de Regime Então?

Você deve estar se perguntando se tudo isso que citamos serve para alguma coisa ou somente para complicar ainda mais a nossa vida.

E é importante ressaltar que os dois são bem diferentes tanto na apuração, quanto no seu uso, através deles são gerados relatórios diferentes, pelo de Competência o Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE) e pelo de Caixa o Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC).

Iremos nos aprofundar um pouco mais sobre os relatórios em próximos artigos, porém caso queira tirar suas dúvidas e receber orientação sobre o menor Regime adotar, nós da OSA Contabilidade estamos preparados para atender você.

Nosso time é especializado em solucionar os problemas do dia a dia da sua empresa, entre em contato e saiba como.

Como Organizar um Planejamento Financeiro para a Minha Empresa?

Como Organizar um Planejamento Financeiro para a Minha Empresa?

Como Organizar um Planejamento Financeiro para a Minha Empresa?

Não é de hoje que você empresário deve ouvir, que precisar elaborar um planejamento financeiro para a sua empresa, não é?

Mas você sabe como organizar esse planejamento para que consiga tirá-lo do papel? Vamos ajudar você nessa.

Existe uma máxima que diz: “Dinheiro não aguenta desaforo” .

E isso faz todo o sentido, pois imagine só a situação, sua empresa vende bem, você tem uma receita alta , aparentemente tudo bem, já está pensando até no carro novo que vai comprar.

Mas ai vem o preço do não planejamento e seus custos começam a aumentar, seu produto começa a não vender, sua margem de lucro cai e na realidade percebe que nunca teve lucro, somente gastou o dinheiro que seria para manter a empresa com fôlego por um período maior.

Acredite, isso acontece com muito mais frequência do que pode imaginar e muitas falências poderiam ser evitadas com um bom planejamento.

Mas vamos aos pontos principais para organizar o seu planejamento.

Não Esconda seus Custos

Explicamos em outro artigo a diferença entre custos fixos e variáveis (leia aqui), mas o que vamos falar hoje é sobre se auto enganar, ou tentar pelo menos, coloque todos os seus custos na ponta do lápis, por mais insignificantes que pareçam, um bom planejamento é aquele mais completo e detalhista.

Elabore Metas

Não somente para seus funcionários, se os tiver, mas para você e sua empresa.

Visualizar objetivos e adequar a um prazo, aumenta o senso de urgência e importância de cada tarefa.

É importante ter muito claro qual o objetivo a ser alcançado dentro de um espaço de tempo, afinal, você precisar saber se chegou lá ou não, do contrário viverá eternamente correndo as cegas.

E o mais importante, caso alcance a meta, se bonifique.

Seja como for, com um dia de folga, uma viagem com a família ou um carro novo (tudo dentro do seu orçamento planejado ok?).

Siga o Planejamento

É muito comum que com a correria do dia a dia, as pessoas acabem por deixar a disciplina de lado, acabam deixando o planejamento em segundo plano em troca da corrida maluca por resultados. Foco!

Não saia do planejamento, gastos inesperados, situações atípicas, isso acontece com todo mundo e você não sofre mais do que os outros, não se engane.

Tenha disciplina, pois a sua empresa depende de você e da sua postura.

Despesa Particular não é Responsabilidade da Empresa

Essa é muito comum, o empresário acaba por confundir o lucro da empresa com o lucro pessoal e com isso mascarar o real lucro da empresa.

Por isso existem várias formas de remuneração do empresário, isso mesmo o empresário assim como qualquer outro funcionário deve ser remunerado, ele não é a empresa, a empresa deve pagá-lo.

Pode ser adotado o sistema de pró-labore, onde o empresário faz uma retirada mensal (salário) com valor fixo ou a divisão de lucros, com o planejamento bem elaborado e os valores que devem ficar na empresa já reservados e discriminados, o que for realmente lucro será o valor destinado ao empresário.

Não Deixe a Fonte Secar

Não trabalhe sempre no limite, tenha um fundo reserva, esse fundo será destinado a imprevistos, depreciação e/ou fluxo de caixa.

Imagine só se a sua empresa trabalhar apenas com o dinheiro do mês, mas no mês seguinte tudo der errado e você não receber metade da sua receita?

Sua empresa irá quebrar com apenas um mês ruim? Vai se afogar em dívidas e empréstimos por culpa de apenas um mês ruim?

Faça uma reserva, deixe a sua empresa com fôlego extra, não seque a fonte.

Disciplina para Analisar os Resultados

De nada adianta planejar e não analisar os resultados, não é?

A análise detalhada da empresa deve ser feita tanto para iniciar o planejamento, quanto para mensurar os resultados.

Encontre seus erros para resolvê-los, encontre sua força para foca-la, faça uma análise consistente, real e sincera.

Uma planilha preenchida pode ser até bonita, mas de nada adianta se você não usá-la para fortalecer a sua empresa.

E as planilhas são essenciais para essa análise, tudo o que acontecer na empresa deve estar sendo controlado, ou seja, se necessário faça 200 planilhas e siga firme em cima para que nada escape delas.

Somente assim, com todas as informações rigorosamente planilhadas, você terá informações suficientes para fazer o papel de empresário: Tomar decisões.

Não Peça Socorro, Peça Ajuda

Tercerizar um planejamento financeiro não é feio. Feio é tentar resolver tudo sozinho e falir por isso.

Muitos empresários veem como gastos desnecessário um acompanhamento financeiro, justamente por tentarem economizar nunca saem do vermelho, invista no que é mais importante da sua empresa, o dinheiro.

Vender muito é bonito, mas o controle financeiro e aumento do lucro, isso sim paga as contas.

Precisa de Ajuda?

Pode ser que tudo isso seja muita coisa, as vezes sozinhos não conseguimos nem começar, por isso precisamos de orientação.

Através de softwares de gestão você pode ter um formato para iniciar o seu controle.

Porém caso precise de uma gestão completa do seu setor financeiro, nós da OSA Contabilidade podemos te ajudar, através da parceria com a Fatorizze Gestão Financeira, sua empresa recebe todo o apoio e gerenciamento financeiro para finalmente enxergar os números de forma simplificada.

É primordial que você empresário não tente enganar a si mesmo, mascarando despesas, interpretando lucros inexistentes e principalmente, tentando economizar algo tão importante.

Gestão financeira é investimento. Entre em contato, nós temos a solução para o dia a dia da sua empresa.

O Fator Definitivo para Organizar o Financeiro da sua Empresa

O Fator Definitivo para Organizar o Financeiro da sua Empresa

O Fator Definitivo para Organizar o Financeiro da sua Empresa

Todo empreendedor sabe a dor de cabeça que é cuidar das finanças do seu negócio, o financeiro é o coração da empresa, se ele falhar todo o organismo falha junto.

E organizar esse setor requer tempo e dedicação, além de conhecimento. Por isso uma empresa especializada no setor, surge como o fator definitivo para organiza o financeiro da sua empresa.

Essa é a Fatorizze, uma empresa foca em gestão financeira e mais do que isso, focada em otimizar seu tempo.

Ferramentas, Métodos e APP’s

Com o avanço da tecnologia, todo dia surgem novas ferramentas para gestão financeira empresarial, com promessa de facilitar o dia a dia e praticamente automatizar o processo, acabamos por testar e apostar em algumas delas.

Porém, para que servem as ferramentas sem o tempo necessário para usá-las?

Como todos nós sabemos, um grande problema não está no método utilizado, mas sim no tempo gasto com a identificação e inspeção dos detalhes.

Por exemplo: de nada adianta um aplicativo super moderno, que gera todos os relatórios necessários, se os dados não forem inseridos corretamente nele, ou pior, os relatórios não forem utilizados estrategicamente.

Muito mais do que uma Ferramenta

A Fatorizze oferece ao seu cliente a melhoria do bem mais precioso, o Tempo.

Através da equipe Fatorizze, todo o setor financeiro da sua empresa será gerenciado, até mesmo à distância, e os relatórios chegarão a sua mesa prontos para a análise.

Contas as pagar, Contas a receber, Salários, Fluxo de Caixa, Impostos, Recursos Humanos, tudo relacionado ao financeiro da sua empresa será gerenciado pela equipe.

E o melhor de tudo, feito por pessoas capacitadas.

Ao invés de apenas automatizar o processo, a Fatorizze oferece análises, direcionamentos e identificação prévia de situações. Tudo para facilitar o seu controle sobre a sua empresa.

Empreendedor Focado

Com os serviços ofertados, o empreendedor irá focar seu tempo e dedicação no que ele é mais decisivo e especialista, empreender!

Sem a preocupação de perder tempo correndo atrás de contas, ele poderá correr atrás de resultados, agora direcionados pela equipe financeira da Fatorizze.

Foque em fazer a sua empresa crescer, a Fatorizze cuida do resto.

Conheça a Fatorizze, entre em contato, a empresa tem atuação presencial e remota, portanto independente do tamanho da sua empresa e de onde ela esteja localizada, o setor financeiro ficará sobre os cuidados dela.

A Fatorizze é uma parceira da OSA Contabilidade, com anos de tradição no mercado contábil, que sempre visa através dela, e de parcerias como essas, levar a solução para o dia a dia da sua empresa.

O E-Social Acabou?

O E-Social Acabou?

O E-Social Acabou?

Depois de anos de treinamentos, ajustes e mais treinamentos, o famoso (e temido) E-Social, finalmente entrou em vigor em sua totalidade neste ano.

Porém o E-Social como conhecemos hoje já está com os dias contados, isso mesmo, o E-Social acabou…em partes.

Na realidade ele não acabou de fato, ele apenas irá mudar seu formato. O E-Social surgiu com o intuito de auxiliar a vida tanto do empresário quanto do funcionário, organizando e relacionando dados.

Mas na prática, não foi bem isso que aconteceu, ao invés de auxiliar acabou por “complicar” mais a vida de ambos, portanto diante de muitas reclamações haverão mudanças no sistema.

Mas Somente em 2020

Muita calma ao pensar que ele acabou de vez, pois as mudanças ocorrerão em sua maioria em 2020.

Durante o segundo semestre de 2019, apenas haverá uma diminuição de exigências de informações, mas o E-Social continua obrigatório e vigente. Apenas em uma versão mais “light” até o fim do ano.

Para 2020, o governo promete dividir o sistema em dois novos sistemas, mais simplificados e melhor distribuídos, sendo separado em dados Previdenciários e Trabalhistas em um sistema, enquanto os da Receita Federal ficam em outro.

Lembrando, que também diminuirão as exigências sobre empresa de pequeno e médio porte, enquanto aumentarão sobre as de grande porte.

O Que Devo Fazer Então?

Por enquanto a fase é de mudanças e adequações, a melhor situação para você empresário é manter-se em contato com seu contador e continuar com as informações exigidas pelo E-Social em dia, como se nada houvesse mudado.

Caso tenha mais dúvidas, queira saber como a sua situação pode mudar ou até mesmo referente a novas informações, entre em contato com o nosso time de especialistas.

Desde o começo da implantação do E-Social, assim como todos os setores fiscais e tributários, a OSA Contabilidade sempre busca atualizações e treinamentos para oferecer a solução para o dia a dia da sua empresa.

Fluxo de Caixa é Necessário?

Fluxo de Caixa é Necessário?

Fluxo de Caixa é Necessário?

Se você tem uma empresa com certeza já ouviu falar no tal fluxo de caixa, até mesmo se você for funcionário, pode ser familiarizado com o termo. Porém você sabe o que é e como fazer um fluxo de caixa?

Para começarmos temos que diferenciar Fluxo de Caixa de Mensurar Resultados, basicamente o que diferencia os dois são os detalhes e a disciplina.

Se a sua empresa lança as despesas e as receitas, você está no caminho correto para ter um Fluxo de Caixa, afinal, ele nada mais é do que o registro dessa movimentação (Entrada e Saída).

Porém, a sua empresa lança essa movimentação de forma a apenas conferir se no mês você teve lucro ou não, você não está realizando um bom fluxo de caixa, pois faltam os detalhes, que levarão ao planejamento futuro de sua empresa.

O que eu Preciso para fazer meu Fluxo de Caixa?

Disciplina e detalhamento. Simplesmente isso. Muita gente acredita que precisa ter um software sofisticado ou nunca terá um Fluxo correto, e isso não é verdade, basta uma planilha de excel e pronto.

O que irá fazer com que o seu Fluxo seja eficiente, é o nível de detalhe que empregará em cada despesa e receita, como por exemplo a data de vencimento, a forma de pagamento, a categoria da despesa, o fornecedor e por ai vai. Quanto mais detalhes melhor.

E isso requer muita disciplina, pois não podemos esquecer de obter todas as informações para lançá-las, nada de deixar para depois ou criar uma categoria “Outros” para tudo o que lhe der preguiça de categorizar.

Pra que serve o Fluxo de Caixa?

Um bom Fluxo de Caixa irá possibilitar uma análise mais precisa e eficiente da sua empresa, sabendo por exemplo o faturamento previsto, os dias com maior índice de despesas, verificar aumento de despesas na mesma categoria, até mesmo analisar possibilidade de investimentos ou futuros saldos negativos.

Muitas empresas com alto giro de entrada, muitas vezes acabam se enganando quando ocorrem de um mês com baixas despesas, quando não tem um Fluxo de Caixa bem feito.

Pois as despesas naquele mês foram baixas e deram uma falsa ideia de alto lucro, porém nos meses seguintes elas voltam a crescer e se o faturamento não se manter, aparecem os saldos negativos.

Isso seria evitado a empresa já soubesse de suas movimentações pelos próximos meses, e se precavesse dessa alta de despesas.

Solicite Ajuda, o Importante é Melhorar

Não tenha vergonha de não saber montar um bom Fluxo de Caixa, isso é mais normal do que você pode pensa, grandes empresas ainda tem suas dificuldades.

Para auxiliar você nessa questão, nós da OSA Contabilidade, através de nossa parceria com a Fatorizze Soluções Financeiras, disponibilizamos profissionais capacitados para organizar a vida financeira da sua empresa e com isso encontrar a solução para o dia a dia da sua empresa.

Despesas Fixas e Variáveis: Saiba como Diferenciar

Despesas Fixas e Variáveis: Saiba como Diferenciar

Despesas Fixas e Variáveis: Saiba como Diferenciar

Toda empresa nasce pensando em quanto irá ganhar, certo?

Pode ser uma “conta de guardanapo”, onde o custos da empresa são maiores do que os recebimentos e pronto!

Mas surpresas acontecem logo de cara e os custos mudam, fazendo com que o sonho seja mais complicado, talvez isso ocorra porque você não diferenciou suas despesas fixas de suas despesas variáveis.

Despesas Fixas

Melhorando um pouco a conta feita no guardanapo, vamos dividir os custos iniciais, as Despesas Fixas são aquelas que irão vencer todo mês mesmo que você não produza nada, atenda nenhum cliente ou venda algo, nada, zero, o mês todo vendo as moscas, as Despesas Fixas estarão lá.

Entram nessa conta por exemplo, Aluguel, Telefone, Internet, Luz, Funcionários e tudo o mais que seja essencial para a empresa ao menos existir.

Esses valores devem ser a base para iniciar o cálculo, pois ao menos eles devem sempre estarem cobertos ou devemos falar em falência.

Para facilitar, vamos pensar nas Despesas Fixas como os valores que se repetem mensalmente. Nessa etapa é importante lembrar de todos (até daquela parcela de empréstimo do banco para investimento inicial, lembra?).

Despesas Variáveis

São todas as despesas diretamente relacionadas a produção. Simples assim. Ou quase.

Quando falamos “relacionadas a produção”, logo imaginamos uma fabrica e a matéria prima de seu produto, é a maneira mais fácil de exemplificarmos, porém nem todos são fabricantes de produtos.

Como relacionar essas despesas em outros setores?

Independente do setor, sua empresa oferta um tipo de produto ou serviço, devemos é definir quais custos cada um deles geram diretamente.

Por exemplo, se você tem uma loja de roupas seus custos variáveis podem estar ligados diretamente a estoque, emissão de notas fiscais, comissão de vendedores, divulgação na rádio ou rede social, tudo o que você somente terá que gastar quando vender o produto.

Se o seu caso for a prestação de serviço, a conta pode ficar um pouco mais complicada.

Se por exemplo tiver locomoção para atendimento, os gastos de combustível e desgaste do veículo deve ser considerado um custo variável.

Porque dividir as Despesas?

Conhecer suas despesas irá fazer com que seu planejamento seja mais ajustado e realista, evitando surpresas e más decisões.

Muitas empresas vivem procurando como “Cortar Despesas”, porém não conhecem nem mesmo as despesas que são passíveis de cortes e quais são essenciais.

Outra importância de conhecer suas despesas, está no momento de precificar seu produto ou serviço.

Existem empresas com grandes faturamentos, porém com despesas tão desorganizadas, que o faturamento mascara uma já eminente falência.

Como ter um Controle de Despesas Eficiente?

Mesmo depois de fazer o levantamento inicial, dividindo corretamente Despesas Fixas e Despesas Variáveis, é necessário um acompanhamento constante das mesmas, pois elas mudam e influenciam diretamente o resultado da sua empresa.

Hoje em dia existem diversos softwares que facilitam esse acompanhamento, fazendo com que fique claro os pontos positivos e negativos de seus custos.

Porém devem ser considerados não somente os números, mas também as oportunidades, que podem gerar redução de custos (até mesmo os Fixos, que são mais complexos de se reduzirem), para isso é interessante ter um departamento da sua empresa responsável por isso.

Caso sua empresa não tenha esse departamento, nós da OSA Contabilidade oferecemos esse serviço de Controle de Despesas, através da parceria com a Fatorizze Gestão Financeira.

Entre em contato e conheça mais em como podemos ajudar com soluções para o dia a dia da sua empresa.